(41) 3264-6719 ou (41) 3264-3029 ou (41) 99935-5557   -   faleconosco@medicodofigado.com.br

cirrose hepáticaA cirrose hepática é uma doença crônica que causa a destruição gradativa do tecido do fígado, formando tecido cicatrizante no lugar das células saudáveis do órgão. A ingestão excessiva de álcool é a causa mais frequente da cirrose. Outros fatores, como a hepatite e certos medicamentos, também podem levar à doença.

Inicialmente, a cirrose hepática não costuma apresentar sintomas. Em estágios mais avançados, os principais são:

  • Icterícia (amarelamento da pele e dos olhos);
  • Fadiga;
  • Náuseas e vômitos;
  • Mau hálito;
  • Perda de peso;
  • Inchaço na região abdominal;
  • Inchaço nas pernas;
  • Dores na região abdominal;

Complicações

Quando a doença não é devidamente tratada, pode avançar e gerar complicações graves. Veja as principais:

  • Câncer de fígado: a cirrose facilita o surgimento do tumor hepatocarcinoma.
  • Encefalopatia hepática: são alterações cerebrais causadas pela doença quando em estágio avançado, uma vez que o fígado já não consegue remover as substâncias tóxicas do sangue. Quando aguda, pode ser tratada; quando crônica, tem avanço progressivo e difícil tratamento. Veja alguns sintomas:
    • Alterações no sono;
    • Confusão e dificuldade de raciocínio;
    • Alterações de humor;
    • Dificuldade nos movimentos manuais;
    • Desorientação;
    • Sonolência;
  • Hemorragia digestiva alta varicosa: é a perda de grande quantidade de sangue, por meio da ruptura de varizes, nas regiões do esôfago, estômago ou duodeno. Alguns dos sintomas são vômito com presença de sangue, melena (fezes enegrecidas) e perda de sangue junto às fezes, em casos mais avançados.
  • Síndrome hepatorrenal: é quando a função renal se deteriora por causa da cirrose, na maioria dos casos só podendo ser tratada com transplante hepático.
  • Ascite: trata-se da presença de líquido na cavidade abdominal.
  • Peritonite bacteriana espontânea: é a infecção do líquido ascítico.

A cirrose é uma doença que não tem cura. Uma vez que o diagnóstico seja feito, deve-se primeiramente eliminar o que causou a doença, como o álcool.

Os tratamentos são baseados em controlar a cirrose para que não evolua e cause complicações como as mencionadas. Em estágios avançados, procede-se com o transplante hepático.

Dr. João Nicoluzzi

Médico especialista em cirurgias e transplantes de fígado, pâncreas e vias biliares.

Deixe uma resposta

Fechar Menu