(41) 3264-6719   -   faleconosco@medicodofigado.com.br

fígado com hepatiteO fígado com hepatite, principalmente a B e a C, pode desenvolver a cirrose hepática, a qual muitas vezes leva ao câncer de fígado. No entanto, mesmo pacientes com hepatite B e C que não têm cirrose, têm chance de desenvolver o câncer. Entenda um pouco mais sobre a hepatite e sua relação com o câncer hepático.

Hepatite B

É causada por um vírus que infecciona as células hepáticas. A transmissão acontece por meio de contato com sangue ou fluidos corporais de uma pessoa infectada. Muitas vezes, a doença pode não apresentar sintomas e, sem acompanhamento médico, avança e vai inflamando o fígado.

  • Contágio: Relações sexuais sem o uso de preservativos; agulhas e seringas contaminadas; instrumentos cirúrgicos e odontológicos contaminados; transmissão para o bebê durante o parto.
  • Sintomas: Podem aparecer somente 3 meses após o contágio, ou até mesmo 6 meses depois. Os sintomas se confundem com os de uma gripe, podendo haver febre, falta de apetite, enjoos, sensação de cansaço, amarelamento dos olhos, entre outros.
  • Tratamento: Remédios e injeções podem ser usados apenas para controlar o avanço da doença e aliviar os sintomas. Uma alimentação balanceada e água podem acelerar a cura.
  • Prevenção: Tomar a vacina contra as hepatites A e B, usar preservativos e não compartilhar agulhas ou seringas.

Hepatite C

Também é uma doença viral, mas é mais agressiva do que a hepatite B. O fígado com hepatite C é o principal fator de risco para o desenvolvimento do carcinoma hepatocelular, tipo mais comum de câncer hepático.

  • Contágio: Relações sexuais sem o uso de preservativos; contato com sangue de alguém contaminado.
  • Sintomas: Icterícia, mal-estar, enjoos, falta de apetite, dor abdominal, febre. Muitos não chegam a apresentar sintomas, o que gera o alto risco de desenvolvimento de cirrose hepática.
  • Tratamento: É realizado com injeções e medicamentos, para eliminar o vírus e diminuir o risco de desenvolvimento de cirrose e câncer. O tratamento pode durar um ano ou mais.
  • Prevenção: Usar preservativos e não compartilhar agulhas e seringas. Não existe vacina contra a hepatite C.

Dr. João Nicoluzzi

Médico especialista em cirurgias e transplantes de fígado, pâncreas e vias biliares.

Deixe uma resposta

Fechar Menu