(41) 3264-6719 ou (41) 3264-3029 ou (41) 99935-5557   -   faleconosco@medicodofigado.com.br

vesicula biliarA vesícula biliar localiza-se abaixo do lado direito do fígado. A bile é um líquido produzido pelo fígado, servindo para digerir gorduras no intestino; a função da vesícula biliar é armazenar a bile.

O pólipo é um nódulo que se forma na mucosa da vesícula, e normalmente só é descoberto de maneira incidental por meio de ultrassonografia abdominal. Os pólipos são divididos em benignos e malignos, são eles:

Pólipos benignos
  • Pólipos de colesterol: Correspondem à grande maioria dos casos, e são apenas depósitos de gordura na vesícula, sem apresentar qualquer potencial maligno.
  • Pólipos inflamatórios: Pouco freqüentes, consistem em uma reação inflamatória local.
  • Adenomiomas: Aumento da espessura da camada interna do órgão.
  • Adenomas: É o único pólipo benigno que, com o passar dos anos, pode se tornar maligno (câncer), tornando-se um adenocarcinoma.
Pólipos malignos
  • Adenocarcinoma: São os mais comuns, podendo se desenvolver a partir do adenoma; nem sempre ocorre a progressão desse tipo de pólipo, e suas dimensões são proporcionais ao risco de malignidade.
Sintomas

Em sua maioria, os pacientes com pólipo na vesícula biliar são assintomáticos e, por esse motivo, muitas vezes os nódulos são detectados incidentalmente com a ultrassonografia. Quando há sintomas, no entanto, costumam ser náuseas, vômitos e dores ocasionais.

Diagnóstico

A ultrassonografia pode detectar nódulos a partir de 5 mm de diâmetro, e permite identificar fatores como:

  • Localização do pólipo;
  • Relação com o fígado;
  • Tamanho das lesões;
  • Número de lesões;
  • Associação com cálculos (pedras) da vesícula.

A tomografia, por sua vez, se faz mais útil para nódulos maiores, como o adenocarcinoma.
Outros fatores também contribuem para o diagnóstico, como por exemplo o tamanho, que se for maior do que 10 mm pode significar pólipo maligno. Além disso, o risco também aumenta para pacientes acima de 50 anos.

Tratamento

O tratamento mais comum é a remoção cirúrgica, para nódulos pré-malignos ou tumores. Nos demais casos, é indicado o acompanhamento médico para verificar se não há progressão do pólipo.

Dr. João Nicoluzzi

Médico especialista em cirurgias e transplantes de fígado, pâncreas e vias biliares.

Deixe uma resposta

Fechar Menu