(41) 3264-6719   -   faleconosco@medicodofigado.com.br

Os rins têm como função principal eliminar substâncias que já não são úteis ao organismo, ao mesmo tempo em que mantêm as que são necessárias, como as proteínas. O diabetes tipo 1, quando não controlado, pode levar à chamada nefropatia diabética.

Essa complicação do diabetes é uma alteração sofrida pelos vasos sanguíneos dos rins. Começa-se a eliminar proteínas necessárias ao corpo humano pela urina, o que leva a uma redução gradual da função renal.

Quando a insuficiência renal é descoberta em estágio inicial, o controle do diabetes e da pressão arterial pode inclusive reverter o quadro. No entanto, caso a complicação já esteja em estágio avançado, o mais indicado é a realização de um transplante de rim e pâncreas.

Como funciona o transplante

Existem três diferentes técnicas de transplante de rim e pâncreas:

  • Transplante simultâneo: Os dois órgãos são transplantados na mesma cirurgia. É possível utilizar o rim de um doador vivo e o pâncreas de um doador falecido.
  • Transplante de pâncreas após o de rim: Quando o paciente já transplantou o rim devido à insuficiência renal, mas continua sofrendo de diabetes e apresenta algumas de suas complicações.
  • Transplante de pâncreas isolado: Quando o paciente tem diabetes de difícil controle, mas não apresenta insuficiência renal.

transplante de rim e pâncreas

Observe, no esquema ao lado, que no transplante de rim, os órgãos do paciente são mantidos e o do doador é implantado. No transplante duplo de rim e pâncreas, similarmente, preserva-se tanto os rins quando o pâncreas do paciente.

Dr. João Nicoluzzi

Médico especialista em cirurgias e transplantes de fígado, pâncreas e vias biliares.

Deixe uma resposta

Fechar Menu