(41) 3264-6719 ou (41) 3264-3029 ou (41) 99935-5557   -   faleconosco@medicodofigado.com.br

nova-modalidadeO fígado é uma glândula responsável pela produção de substâncias que auxiliam no equilíbrio do organismo. Esse órgão tem dois lobos, o direito (com 60 % de seu volume) e o esquerdo (com 40% de seu volume). Apesar de o fígado possuir alto poder de regeneração,
algumas doenças podem causar insuficiência hepática e levar a óbito. Nesses casos, o único tratamento é o transplante hepático.

Transplante hepático com dois doadores

Convencionalmente, o transplante hepático é feito a partir do fígado de um paciente com morte cerebral. Em caso de doadores vivos, há duas possibilidades: o transplante pode usar parte do órgão de um doador, ou pode ser feito com dois doadores. Como a porcentagem a ser retirada do fígado do doador é elevada, e proporcional ao peso do paciente, a segunda opção é a mais segura para o doador.

Esse tipo de transplante tem alta complexidade, e em Novembro de 2011 foi realizado pela primeira vez na América do Sul, no Hospital Angelina Caron em Curitiba. A cirurgia foi liderada pelo Dr. João Eduardo Nicoluzzi, chefe do Serviço de Transplante do hospital, e pelo Dr. Mauro Roberto Monteiro, chefe do Serviço de Hepatologia. O paciente, Darci Moacir Bladt, sofria de cirrose e recebeu partes do fígado de seu filho e de sua sobrinha.

Transplante hepático dividido

transplante hepatico divididoTambém em 2011, o transplante hepático dividido foi realizado com sucesso no Paraná pela primeira vez, no mesmo local, o Hospital Angelina Caron. Essa técnica consiste em usar apenas metade do fígado, permitindo que o órgão de um único doador seja usado em dois transplantes.

Para que um transplante hepático tenha sucesso, o paciente deve receber uma quantidade certa de tecido, em uma relação de 1% entre sua massa corporal e o tamanho do órgão. Por exemplo, uma pessoa de 70 kg deve receber um órgão que pese ao menos 700 gramas. Por essa razão, o transplante hepático dividido pode ser realizado, na maioria dos casos, em uma criança e um adulto (a criança recebe o lado esquerdo, de volume menor, e o adulto o lado direito, de volume maior). São raros os casos em que o fígado do doador pode ser transplantado para dois adultos.

Segundo João Eduardo Nicoluzzi, tais procedimentos de transplante hepático entraram em definitivo na rotina do Angelina Caron.

 

 

Dr. João Nicoluzzi

Médico especialista em cirurgias e transplantes de fígado, pâncreas e vias biliares.

Deixe uma resposta

Fechar Menu